asd

SPVS - SOCIEDADE DE PESQUISA EM VIDA SELVAGEM

08/05/09 - SPVS INFORMA
Censo de papagaio ameaçado de extinção será neste fim de semana

27/05/09 - SPVS INFORMA
Estudo no Paraná e Santa Catarina demonstra que são poucas as áreas onde é possível encontrar áreas de Floresta com Araucária

03/09/09 - SPVS INFORMA
Monitoramento da SPVS de ninhos de papagaio-de-cara-roxa recebe apoio

asd

FUNDAÇÃO O BOTICÁRIO DE PROTEÇÃO A NATUREZA

Quebrar Paradigmas - por Malu Nunes – engenheira florestal, mestre em Conservação da Natureza e diretora executiva da Fundação O Boticário de Proteção à Natureza.

Observação de Aves - Salto Morato

Quanto Custa preservar mananciais - Projeto Oásis

Brasil Mantém Liderança Mundial em Reciclagem de Latas de Alumínio

Aprenda mais sobre a importância de reciclar o PET

Classificação do lixo reciclável

Compostagem: transformando seu lixo orgânico em adubo

asd

 

 

Aprenda mais sobre a importância de reciclar o PET

O Brasil consumiu 378 mil toneladas de resina PET na fabricação de embalagens em 2006. Atualmente, o maior mercado para o PET pós-consumo no Brasil é a produção de fibra de poliéster para indústria têxtil (multifilamento), onde será aplicada na fabricação de fios de costura, forrações, tapetes e carpetes, mantas de TNT (tecido não tecido), entre outras. Outra utilização muito freqüente é na a fabricação de cordas e cerdas de vassouras e escovas (monofilamento). Outra parte é destinada à produção de filmes e chapas para boxes de banheiro, termo-formadores, formadores a vácuo, placas de trânsito e sinalização em geral. Também é crescente o uso das embalagens pós-consumo recicladas na fabricação de novas garrafas para produtos não alimentícios.É possível utilizar os flocos da garrafa na fabricação de resinas alquídicas, usadas na produção de tintas e também resinas insaturadas, para produção de adesivos e resinas poliéster. As aplicações mais recentes estão na extrusão de tubos para esgotamento predial, cabos de vassouras e na injeção para fabricação de torneiras.

Nos EUA e Europa e na Austrália, os consumidores podem comprar refrigerantes envasados em garrafas de PET produzidas com percentuais variados de material reciclado.

Essa aplicação poderá crescer com o avanço da reciclagem química deste material processo no qual o PET pós-consumo é despolimerizado, recuperando as matérias-primas básicas que lhe deram origem. Com essa matéria-prima recuperada é possível produzir a resina PET novamente.

O ciclo da reciclagem

RECUPERAÇÃO: Nesta fase, as embalagens que seriam atiradas no lixo comum ganham o status de matéria-prima. As embalagens recuperadas serão separadas por cor e prensadas. A separação por cor é necessária para que os produtos que resultarão do processo tenham uniformidade de cor, facilitando assim, sua aplicação no mercado. A prensagem, por outro lado, é importante para que o transporte das embalagens seja viabilizado. Como já sabemos, o PET é muito leve.

REVALORIZAÇÃO: As garrafas são moídas (flake), ganhando valor no mercado. O produto que resulta desta fase é o floco da garrafa. Pode ser produzido de maneiras diferentes e, os flocos mais refinados, podem ser utilizados diretamente como matéria-prima para a fabricação dos diversos produtos que o PET reciclado dá origem na etapa de transformação. No entanto, há possibilidade de valorizar ainda mais o produto, produzindo os pellets. Desta forma o produto fica muito mais condensado, otimizando o transporte e o desempenho na transformação.

TRANSFORMAÇÃO: Fase em que os flocos, ou o granulado, serão transformados num novo produto, fechando o ciclo. Os transformadores utilizam PET reciclado para fabricação de diversos produtos, inclusive novas garrafas para produtos não alimentícios.