08 de Janeiro de 2009
Saiba mais sobre o novo plano de uso sustentável da Ilha do Mel aprovado em 8 de Janeiro de 2009.

DOC. OFICIAL PARA DOWNLOAD

07 de Abril de 2009
Conheça aqui o trabalho genial do artista Caco, residente na ilha há 17 anos.

08 de Junho de 2009
A ong Mater Natura divulga-nos seu Projeto Cultura Viva da Ilha do Mel, que oferece oficinas de audiovisual a comunidade

10 de Julho de 2009
O Ponto de Cultura da Ilha do Mel promove a 1ª etapa da Oficina de Audiovisual - A imagem em palavra: como fazer um roteiro audiovisual?

02 de Agosto de 2009
O Ponto de Cultura da Ilha do Mel promove a 2ª etapa da Oficina de Audiovisual – Produção de vídeos.

 

 

 

Cultura Viva da Ilha do Mel

Início: Janeiro de 2008
Término: Julho de 2010
Financiador: Ministério da Cultura do Governo Federal – MinC/ Fundo Nacional da Cultura – FNC
Instituição proponente e executora: Mater Natura - Instituto de Estudos Ambientais
Coordenadora:  Adriana Marques Canha
Equipe Técnica:  Leandro Borgonha
Juliana Vitulskis

Parceiros:
Governo Estadual do Paraná
Instituto Ambiental do Paraná – IAP
Companhia de Informática do Paraná - Celepar
Núcleo Regional de Educação de Paranaguá
Escola Estadual Lucy Requião de Mello e Silva
Escola Municipal Rural de Nova Brasília
Colégio Estadual Sully da Rosa Vilarinho
Terminal de Embarque de Pontal do Paraná - Associação Mar Brasil
Universidade Federal do Paraná – UFPR
Departamento de Comunicação Social da UFPR – DECOM-UFPR
Núcleo de Comunicação e Educação Popular da UFPR - NCEP
PET-Computação – Programa de Educação Tutorial do Depto de Informática da UFPR
Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC-PR
Projeto Ecofalantes da Ilha do Mel (Mater Natura)
Projeto Jovem Mostre sua Cara (Mater Natura)

Descrição:

O projeto visa resgatar e valorizar a identidade cultural da Ilha do Mel utilizando a linguagem artística, através do teatro, e a pesquisa etnocientífica. A produção artística será registrada e difundida na internet e na mídia através do Ponto de Cultura, centro de reflexões e local de articulação de agentes culturais do projeto. Ele será um amplificador das expressões culturais da Ilha do Mel, principalmente através da Rede Cultura Viva.

O Programa Cultura Viva

O programa Cultura Viva é uma rede de gestão cultural popular e descentralizada, que tem sua funcionalidade através dos Pontos de Cultura. Esses pontos têm o objetivo de valorizar e impulsionar as ações que já existem nas comunidades, como também de estimular novas ações. Atualmente, existem mais de 650 Pontos de Cultura espalhados pelo país.
Para facilitar e estimular a troca de experiências entre os pontos é prevista no programa a ação Cultura Digital. Parte do incentivo recebido no início do projeto é destinado à aquisição de equipamentos multimídia. A tecnologia utilizada é operacionalizada em software livre e gratuito. O código fonte dos programas é aberto e pode ser modificado por toda a comunidade que o utiliza - assim estimula conceitos e práticas de compartilhamento tecnológico, generosidade intelectual e trabalho colaborativo.
A integração do Ponto de Cultura à escola, através da ação Escola Viva, colabora para a construção de um conhecimento reflexivo e sensível por meio da cultura. Essa ação possibilita resgatar a interação entre cultura e educação.
Dessa forma, é possível estimular, a partir da interação também com outras instituições sociais próximas da comunidade, a formação de agentes multiplicadores. Pela liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, a arte e seus saberes, eles podem estimular a prática artística e pedagógica em sua comunidade.

A Ilha do Mel

A Ilha do Mel, localizada no litoral do Paraná, tem 93% de sua área definida como Unidade de Conservação de Proteção Integral. Nos outros 7%, encontram-se as comunidades de Encantadas e Nova Brasília, com uma população de mais de 900 pessoas.
Por apresentar belezas cênicas e praias adequadas à prática de surf, o índice de visitação da Ilha do Mel tem aumentado progressivamente nos últimos 30 anos. Na alta temporada, principalmente nos meses de dezembro a março, o turismo é intenso. As influências sofridas com o impacto de diversas culturas, que trazem outros modelos socioeconômicos, geram conflitos que resultam muitas vezes na degradação da cultura e tradição das comunidades, bem como do ecossistema local.
Para os jovens de 13 a 24 anos, 10% da população, que representam a continuidade dos hábitos e costumes da Ilha, restam perspectivas limitadas em relação às oportunidades locais de estudo e trabalho. Eles dependem da alta temporada para trabalhar e normalmente têm de partir para continuar seus estudos. Nesse processo, há uma perda de identidade cultural, além da mudança gradual de valores.

Resgate e Estímulo Cultural

Recuperar e valorizar a identidade cultural da Ilha do Mel por meio da linguagem artística é resgatar suas raízes. Para tanto, o projeto utilizará o teatro para estimular a arte na comunidade da Ilha do Mel, resgatar sua identidade e auto-estima, e expor esses valores à própria comunidade e aos seus visitantes.
O teatro foi escolhido por poder representar as convenções sócio-culturais produzidas historicamente e por possibilitar novas formas de ver e perceber o mundo, os hábitos sociais e culturais. Através da vivencia das diferenças de classe, de gênero e da influência desses aspectos na produção artística, os participantes poderão encontrar instrumentos para enfrentar problemas cotidianos com mais autonomia.
A troca de experiências e os reencontros com suas fontes míticas ancestrais serão proporcionados pelos Griôs, convidados a compartilhar suas histórias e seu saber-fazer a respeito do mundo natural - e sobrenatural. Artistas locais terão um espaço para articular e transmitir seus processos criativos. De forma construtiva, os orientadores refletirão com os moradores em relação ao meio-ambiente e sua história.

Difusão da Cultura

O Ponto de Cultura dispõe de equipamentos multimídia, que possibilitam a gestão cultural compartilhada e a participação na Rede Cultura Viva. Através deles é possível registrar e difundir a criatividade da comunidade em produtos audiovisuais e digitais. Para orientar esse processo, serão realizadas oficinas de inclusão digital, jornalismo comunitário, rádio, audiovisual, animação e fotografia.
Toda a ação comunicativa será baseada no diálogo e a gestão dos meios de comunicação locais será organizada a partir da interação com a comunidade. O objetivo é, a partir da percepção dos moradores da ilha, mais conscientes de suas responsabilidades socioambientais, sensibilizar os mais de 150 mil visitantes anuais sobre a preservação do ecossistema local, incluindo a cultura de seus habitantes.